Fabricantes associadas à ANRAP têm aumentado a conscientização e o conhecimento dos clientes em relação ao setor e seus benefícios. BorgWarner, Cummins, Eaton, Garrett, Knorr-Bremse, Schaeffler Brasil e Wabco trabalham juntas para esclarecer as diferenças entre peças remanufaturadas e recondicionadas.  

Os desafios de disseminar o conceito e os benefícios dos produtos remanufaturados ainda são grandes. Para o presidente e membro da Associação Nacional dos Remanufaturadores, Jefferson Germano, é preciso avançar na discussão das questões tributárias e tecnológicas e melhorar os programas de logística reversa.

Outro obstáculo ao crescimento do segmento de peças remanufaturadas no país que tem sido atacado pelos associados da ANRAP é o desconhecimento que gera insegurança do usuário. O gerente de assistência técnica da Schaeffler América do Sul, Airton do Prado, reconhece que o desconhecimento sobre o produto prejudica a expansão do setor. “O consumidor realmente confunde recondicionada e remanufaturada. A ANRAP, tem como uma das missões, difundir o conceito do que é uma peça remanufaturada de uma recondicionada. Quem recondiciona não é fornecedor original das montadoras”, reforça.

Segundo as fabricantes, ainda há bastante dúvida por parte do consumidor, pois nem sempre o conceito da remanufatura chega até ele. A Cummins realiza diversos trabalhos de comunicação sobre a sua gama ReCon, inclusive em parceria com a ANRAP, além de eventos locais e regionais com o objetivo de difundir o conceito e o processo da remanufatura da companhia. “Na Eaton temos oferecido treinamentos e seminários alertando sobre as diferenças para a rede de distribuição e frotistas”, destaca Francisco Coli, líder de Transmissões Aftermarket da companhia.

Saiba diferenciar o remanufaturado e o recondicionado

A remanufatura é totalmente realizada nas instalações do fabricante original da peça. Assim que uma peça usada é retornada à fábrica por um usuário, ela é desmontada, limpa e passa por uma rigorosa inspeção. Com base na peça original, o fabricante verifica o que precisa ser feito para que a peça volte a ter as mesmas características de um produto novo. Neste procedimento, pode ser necessária a adição de itens novos e originais. Logo após a montagem do produto são feitos testes para garantir a conformidade com todas as especificações de qualidade de produção. “O processo de remanufatura é uma realidade de mercado, como opção econômica e sustentável para a manutenção de veículos”, diz Jefferson Germano.

“O produto recondicionado é reparado sem seguir quaisquer normas tecnológicas ou processos seguros de produção. Esta origem duvidosa expõe o usuário a riscos de acidentes e reduz, consideravelmente, o tempo de uso do veículo”, enfatiza Newton Juliato, supervisor de desenvolvimento Aftermarket da BorgWarner. “Nenhuma empresa dispõe dos recursos, da tecnologia, da filosofia, de responsabilidade com o cliente e de preservação da confiança na marca como o fabricante de produto original. Esse é o grande diferencial”, complementa Fernanda Silva, líder de Vendas e Marketing para América do Sul da Garrett.

No processo de recondicionamento, a peça desgastada não passa por uma avaliação criteriosa para identificar quais itens necessitam ser reparados. Apenas os componentes defeituosos são substituídos por outros de procedência duvidosa e, caso o defeito da peça ainda persista, não há um suporte técnico devido e confiável.

 

 

429 View