Com uma frota de 382 carros rodando cerca de três milhões de quilômetros por mês, a Viação Miracatiba tem processos de manutenção automotiva preventivos e constantes para otimizar custos e garantir a segurança dos serviços prestados. A empresa, que atende rotas intermunicipais na região de Juquitiba,  Cotia,  Itapecerica da Serra e na capital de São Paulo, incorporou há quase cinco anos os produtos remanufaturados nos processos de manutenção dos veículos. Nesse período,  segundo Luiz Geraldo Baldin, gerente de manutenção da empresa, foram usadas cerca de 500 peças remanufaturadas e a medida contribuiu para uma redução de gastos da ordem de 30% em média.

“O produto remanufaturado é como um produto novo. E possibilita a mesma segurança. Aqui na empresa ele corresponde hoje a cerca de 10% das peças do sistema pneumático que usamos na manutenção de nossa frota. No caso de compressores, por exemplo, essa utilização chega aos 90%”, conta Baldin.   

Com 25 anos de experiência no setor automotivo, o executivo teve contato pela primeira vez com a remanufatura há cerca de 12 anos, quando trabalhava em outra companhia. “Faço parte do grupo que praticamente descobriu o sentido do remanufaturado para a nossa indústria. Ninguém sabia muito bem o que significava naquela época”, lembra ele.

Baldin reconhece que, ao longo desse tempo, o mercado amadureceu e conseguiu gerar mais conhecimento a respeito dos benefícios que a remanufatura traz tanto em termos de custos, como de otimização de recursos ambientais.

“Mas ainda há bastante a ser feito, não só para ampliar a divulgação sobre o remanufaturado, como também para reduzir as taxações que encarecem o preço do produto”, acrescenta, lembrando que agora, com a valorização do dólar, o mercado ganhou um bom fôlego em relação aos importados. “Muitas vezes os preços quase se equiparavam. Agora, há uma boa oportunidade, porque os profissionais das equipes técnicas já sabem que o produto remanufaturado tem durabilidade e confiabilidade. Se o preço for melhor, o remanufaturado conseguirá ganhar mais espaço no segmento de manutenção automotiva”, garante.

Como dificuldades para a expansão da remanufatura no país, Baldin aponta ainda os tímidos e insipientes processos de logística reversa, que muitas vezes impedem que haja uma maior oferta de produtos remanufaturados no mercado. “As empresas precisam estruturar seus processos visando o crescimento das ofertas”. Usuário de produtos remanufaturados, ele destaca a parceria com o fabricante para o treinamento e a preparação da mão de obra como um dos pontos positivos dos processos construídos na Viação Miracatiba nesses cinco anos. “Se o técnico não estiver bem treinado e não souber usar direito as peças, não adianta o produto ser remanufaturado, o trabalho terá sido desperdiçado, podendo haver uma condenação e a perda total da peça”, alerta.

Baldin também destaca o trabalho de conscientização realizado pela ANRAP nos últimos anos com workshops e palestras nas fábricas para sensibilizar funcionários e acionistas sobre a importância do segmento da remanufatura. “Para o segmento crescer é preciso que quem está na linha de frente da tomada de decisão do setor conheça seus benefícios e vantagens e também suas limitações, para que juntos façamos o setor avançar”, finaliza.

Foto: Luiz Geraldo Baldin, gerente de manutenção da Viação Miracatiba.

Publicado por www.anrap.org.br

1338 View